Friday, January 27, 2017

Se até suburbanos se incomodam com o meu sucesso, imagina a elite?

Tenho tido experiências reveladoras na minha vida desde que encontrei o movimento negro e o movimento feminista. Pessoas próximas à mim à quem dediquei minha amizade não se sentem muito confortáveis com minha vida e meu lifestyle. Meu estilo de vida tem machucado pessoas que eu um dia as considerei "amigas". O fato de eu ter batalhado para uma vida que hoje julgo confortável, a coragem de me afastar temporariamente do meu filho, apenas fisicamente, já foi motivo de alguma delas tentarem me diminuir, mas quando as vejo, como parasitas dependentes do dinheiro seja dos pais ou do marido, já em seus 30 anos avançados, vejo que minha decisão foi a melhor, pela mulher independente que me tornei hoje. Pelas minhas próprias escolhas.





O que há de comum é que todas são brancas e não admitem que eu ( diga-se de passagem negra ) obtenha na vida mais sucesso que elas e tentam me punir de alguma maneira, quase sempre na questão do filho. Ouço sempre as mesmas frases : " Mas eu não deixei meu filho com a minha mãe?" / " mas minha consciência não me permite me afastar da minha filha?" ... é sempre a mesma ladainha e blá blá blá... Ninguém aqui está colocando uma regra que para se vencer na vida tem que deixar o filho ou não, longe disso. No meu caso eu não tive outra escolha e tive coragem suficiente de o fazer sem culpa e mais ainda, ainda continuo sendo ídolo, heroína, pro meu filho não existe mulher mais PHODA que eu no mundo, sendo que ele seria a única pessoa no universo que tem o direito de tocar nessa questão comigo, pois o assunto é entre eu e ele. E ele entende perfeitamente o quanto fui massacrada por uma sociedade medíocre que insistiu em me diminuir em todos os momentos, fases, idades, lugares, que eu vivi por aquele final de mundo.


🇧🇷 Nenhuma quantidade de segurança vale o sofrimento de uma vida medíocre preso à uma rotina que matou seus sonhos. (Maya Mendoza)





A minha única opção foi pedir socorro ao mundo, ver o mundo, ver pessoas, aprender a viver com dignidade, dignidade essa que ali nunca tive. Minha raça não merecia o respeito das pessoas. O meu sucesso incomoda pessoas que tiveram uma outra historia diferente da minha. Que se fuderam menos que eu. Elas queriam estar nos lugares que estou, ver e viver as experiências que eu vivo, mas não fazem o que é preciso fazer para chegar onde cheguei. Eu hoje vivo das milhares de experiências que eu acumulei e muitos fracassos, por historia de luta e garra é conquistada com a soma de fracassos e não de sucessos. 






É óbvio que ao longo de 10 anos que fui embora da casa dos meus pais, aos 24 anos para ser mais exata, que decidi morar na cidade que eu queria, que decidi trabalhar na profissão que eu queria, que decidi pagar minhas contas e arcar com todas as minhas decisões. Matemática que sou, hoje vivo uma equação de resultados de escolhas do passado, e não gasto a minha energia querendo justificar meus fracassos com as escolhas alheias. Não adianta evoluir de parasitas dos pais pra parasita do marido, isso pra mim não é evolução, é transferência de hospedeiro, continuam parasitas do mesmo jeito. Eu graças ao meu dinheiro posso viajar o mundo hoje, o país que eu quiser, não estou dependendo de alguém que banque minha passagem, não, isso não é independência. É, CONTINUA SENDO PARASITISMO.

É inadmissível para algumas pessoas, principalmente as que assistiram meus fracassos de perto testemunharem meu sucesso, e assim sempre procuram uma maneira de tentar me machucar. Até porta voz de ofensa racista de terceiros, tive "amiga?" se sujeitando, se submetendo a fazer. Se até aqui cheguei, tenho extrema alegria, admiração e amor por tudo que fiz, por tudo que escolhi fazer e por tudo me tornei, sim minhas escolhas me trouxeram onde estou.
O sucesso incomoda, sempre achei que incomodasse apenas aos inimigos declarados e aos invejosos, muitas vezes meu sucesso, minha independência incomoda aqueles que um dia permiti que andassem comigo. Me enganei!