Tuesday, December 27, 2016

Filhos e coragem

Filhos chegam para movimentar a vida do ser humano, no meu caso a chegada do meu filho me fez repensar na vida que não havia vivido, no mundo que não havia participado, no papel na humanidade que eu não fazia em meio da 20 anos de "você não tem boa aparência" seja emocional, seja profissional, no em fim social nunca havia espaços para mim, às vezes, por piedade era me oferecido as migalhas. A chegada de um filho me fez ter certeza da incapacidade de educar pois eu não sei se teria alguma coisa para passar se não havia vivido conforme a famosa normalidade da aceitação. Eu mal havia explorado meu lado sexual, havia engravidado mais ou menos um ano após perder a virgindade. Eu não havia conhecido outros caras, eu não havia descoberto quem eu era e o que eu gostava sexualmente, intelectualmente, socialmente. Eu não sabia absolutamente nada à meu próprio respeito. Quando fui mãe a única coisa que eu tinha certeza é que tinha crescido num inferno social  (e familiar!) onde eu não era aceita e nem me encaixava em lugar nenhum no meio que eu estava inserida. Que mãe eu ia ser? Que mãe eu poderia ser? O que eu tinha para passar para esse ser humano que eu coloquei no mundo? Sem auto-estima e independência financeira, e nenhuma experiência de vida, eu aos 20 anos era mãe. E tinha que me auto-educar no mundo para assim dar uma educação que eu achasse adequada para meu filho e nenhuma que havia me sido apresentada antes havia me inspirado. Eu precisei buscar inspirações. Eu cresci sem inspirações, eu só havia recebido ódio e desrespeito e não poderia passar isso.